domingo, 19 de abril de 2020

Têm Oito Saídas de Emergência

O horizonte vislumbra-se ao longe, incidindo sobre ele, raios de luz que parecem divinos. Agradecemos aos céus a sorte que temos, abrimos os braços de rompante para planar sobre as nuvens que nos rodeiam. Apercebemo-nos, então, que estamos num avião e esticámos uma bofetada à hospedeira que, garantidamente, irá cuspir em todos os refrescos que me sirva nas 12 horas de viagem que ainda faltam.

Entrar no avião e cumprimentar a hospedeira de monho perfeitamente centrado, que repete ritmicamente saudações como se tivesse sido programada para autodestruir-se se um passageiro não se sente bem-vindo. Indica-me o lugar, com um olhar de agradecimento, quando observa que não entro a bordo com trigémeos recém-nascidos. Pedi lugar à janela, não pelas vistas, mas para evitar que a clássica senhora de fato de treino nos tente passar por cima a cada dez minutos para esticar as pernas, glorificando as suas varizes, como um memorial a veteranos de guerra. Olhamos para os passageiros a entrar, como se um desfile se tratasse, rezando, mentalmente, que não fique ao nosso lado um ser da lista negra: bebés (ou qualquer ser que supere os decibéis concebíveis ao ouvido humano); pessoas que não respeitam as leis de convivência aérea (como: a pessoa sentada no meio tem o direito legal aos dois apoios de braço); pessoas que não foram cordialmente apresentadas a nenhuma marca de desodorizante; indivíduos a quem a companhia aérea devia ter proporcionado dois lugares, mas o capitalismo não o permitiu, transbordando dobras de pele por encima dos apoios de braços.

É hora de voar e não questionar como aquela carrinha com asas vai chegar ao seu destino. O importante é que foi barato e há bar aberto durante todo o voo. A hospedeira começa a fazer a demonstração de segurança e todos os passageiros fingem que estão ocupados, excepto eu, que com o olhar mais penetrante e desconfortável, a olho fixamente. Isto, porque sei, que a minha vida pode depender desses minutos de atenção. Não caso o avião caia, porque aí estamos todos mortos (que isto não é o Lost), mas porque sei, que é uma questão de tempo até que uma hospedeira perca as estribeiras, saque de uma metralhadora e dê cabo de toda a gente que fingiu estar a dormir nos seus dois minutos de fama. Isto, enquanto eu como M&Ms no cockpit, cortesia da casa, por bom comportamento.

As mordomias de ter alguém durante doze horas a trazer-me comida, bebida, mantinhas, e almofadas, enquanto desfruto de filmes que ainda não estão no cinema (nem nunca vão estar), é um luxo! Está bem que, passado um par de horas, quero cortar as pernas de tão inchadas que estão; quero empalar a velha do assento da frente para que deixe de testar os limites da cadeira reclinável; e estou farta de evitar a unhaca do dedo do pé do senhor do acento de trás que, como um idoso de gabardina sem nada por baixo, espreita sorrateiramente entre a janela e o meu banco, aguardando o seu momento de glória. Mas vale a pena (porque não estamos sóbrios quando nada disto passar)!

Aterramos, sinais de cintos ainda acesos, mas toda a gente, que aguentou 12 horas sem tugir nem mugir, precisa de se levantar assim que as rodas embatem no chão, como suricatas em êxtase. Chega o momento de sair, despedir da hospedeira que olha fixamente o vazio, questionando a sua escolha profissional, e concluir que temos tempo de constituir família no terminal do aeroporto antes que cheguem as nossas malas.

Não há nada como viajar.

21 comentários:

  1. Ok. Este era o post em que tu me ias convencer que viajar é o melhor do mundo?

    Já me ri contigo. Explica-me lá outra vez porque estiveste 4 anos sem "blogar"? Que desperdício de talento.

    A minha reflexão favorita do post: "enquanto eu como M&Ms no cockpit, cortesia da casa, por bom comportamento"!
    Muito bom!
    :)

    Beijinhos sem aviões **************

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E é!! Tudo vale a pena para viajar =D
      Dá-me uma carrinha de caixa aberta e eu sou feliz.
      Obrigadinho pelos elogios =D [limpando a baba]

      Boa semanita!

      Eliminar
  2. Resolvi há uns dias que quero ir à Tanzânia quando se puder fazer voos intercontinentais outra vez. Como conheço o meu nível de planeamento o mais provável é ir parar ao Japão ou à Costa Rica!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ui Tanzânia!! Também queroooo! Eu estou a sofrer sem viajar, este ano já perdi ao menos uma bela viagem, já para não falar de uma visita rotineira à famelga em Portugal. Se este ano abrirem os voos intercontinentais acho que ainda dou um pulinho ao Sri Lanka ou ao Peru.
      Boa sorte com esses planos!

      Eliminar
    2. Sri Lanka já cá esteve na calha e depois saiu, já nem sei porquê. Peru ainda lá se mantém a fazer equilibrismo com a Bolívia.

      Eliminar
    3. Olhem que não perdiam nada em ir à Costa Rica!!!
      Adorei!
      Natureza imensa!
      Arvores / bichos/ florestas / mar...
      (a companhia ajudou!)

      Eliminar
    4. Calíope a minha viagem ao Peru se corresse como previsto teria um saltinho à Bolivia, não sei se daria tempo, mas era o plano inicial (sonhar não paga impostos).

      Boop, também ainda não fui à Costa Rica, lá chegarei...mas há tantoooo para ver!! =P (a companhia influencia sempre muito)

      Eliminar
  3. Andei pela primeira vez de avião em Setembro de 2019 e confesso que ia muito cheia de medo eheh
    Mas viajar é um dos meus maiores objetivos, conhecer todos os lugares que me forem possíveis :)
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A primeira vez é sempre emocionante! Agora sento-me e adormeço xD
      Já começas-te, agora é só dar continuidade a essas aventuras.

      Beijinho!

      Eliminar
  4. nã preciso de passar por essas tormentas... só viajo na mydreams!

    ResponderEliminar
  5. E eu que nunca andei de avião? Quero tanto *-*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens que tratar disso!! Hoje em dia consegues voos mais baratos que ir do Porto a Lisboa de comboio =)

      Eliminar
  6. "É hora de voar e não questionar como aquela carrinha com asas vai chegar ao seu destino." É, de facto, a melhor opção. Não tive que aguentar tantas horas dentro "daquela carrinha com asas", mas mesmo assim revi-me em todas as personagens e sensações :))

    Obrigada :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu não me incomodam voos longos, desde que haja alguns factores que ajudem =P
      Fico feliz que te tenhas revisto...mas com pena que tenhas vivido algumas delas xD

      Beijinho

      Eliminar
  7. Já fiz MUITAS viagens e MUITAS MUITO longas.
    A melhor?
    Qatar Airways.
    Cara mas excelente!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É cara mas compensa, totalmente de acordo. Baixaram este ano um bocadinho a qualidade, nota-se os cortes...maaas mesmo assim, adoro voar com eles =)

      Eliminar
  8. Hello, I loved this post, I have been most interesting.
    I loved your post, I did not know your blog, do you want us to follow each other? you tell me Cheers

    ResponderEliminar
  9. Eu cá andei uma vez de avião e não achei lá grande piada ahah

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A piada tem que estar no destino. O que podemos fazer é tornar o trajecto agradável (comprar 20kg de M&Ms e ver filmes non stop com sestinhas ocasionais...é o meu voo perfeito =D).

      Eliminar
  10. :)))) este texto fez-me rir (também porque como já não viajo de avião há dois anos tive tempo para esquecer o que de mau pode suceder)

    ResponderEliminar