quinta-feira, 9 de março de 2017

O País das Mil Caras

Vinte horas de voo, pernas trôpegas, mas um entusiasmo que eleva a adrenalina e não deixa que o cansaço se abata sobre nós. De mochila às costas com pouco mais que uns calções e algumas t-shirts, chegamos ao diminuto aeroporto de Siem Reap, Cambodja. Quinze cêntimos depois e estávamos montadas numa moto com um desconhecido que nos levava ao centro da cidade. Começava a aventura.

Olhávamos à volta e a pobreza estava patente, não era segredo e muito menos motivo para perder os sorrisos ou reduzir as saudações entusiasmadas por ver turistas. Passámos por inúmeros resorts de tamanho e riqueza transcendente, principalmente, tendo em consideração o seu entorno, mas nós dirigíamo-nos para o centro da acção. Não se pode vivenciar uma cultura sem ver a sua real face. “Atenção à comida de rua”, relembro e ignoro eu em cada viagem à Ásia. Agarramos um sumo feito por uma senhora descalça no alcatrão e vamos receber uma massagem, que aí é como ir comprar pão. Deitamo-nos no solo de madeira onde se ouviam pequenos gemidos de dor satisfatória. Agora sim podíamos dormir depois da viagem.

Pela noite a música pelas ruas é alta, muita alegria! Mas entre caras de adultos sorridentes há as de crianças com os seus dez anos a vender postais e pequenas lembranças, mas até eles dançam, são os reis da festa. A manhã seguinte começa cedo com longas jornadas de tuk tuk para visitar todos os templos fabulosos que se encontram na região. Dignos de filmes todos eles, fazem-nos sentir pequenos e agradecidos. O templo de Bayon foi dos que mais me impactou, os rostos sorridentes cravados na pedra diziam tanto deste povo. 

Uma das absolutas maravilhas do mundo é ir ver o nascer do sol a Angkor Wat. Entre monges budistas são dezenas as pessoas sentadas no chão à espera do momento em que o sol rasga o céu atrás do templo. É magnifico! Alguns arriscam fazer fotos com os monges, mas as mulheres não lhes devem dirigir uma mirada e palavras apenas de agradecimento. Acabamos a manhã a comer uma panqueca que mais parecia um bolo para dois, numa pequena barraquinha chamada Rambo 2, mesmo entre o Stallone e da Madonna 1. Um pote de mel e outro de leite condensado com uma colher longa dentro e uma banana cortada em rodelas é apresentada para que adornemos a nossa comida a gosto. Sentimo-nos ridiculamente em casa.

Visitamos aldeias flutuantes, orfanatos e mercados onde os frangos corriam alvoraçados por cima de peixe ainda semi-vivo. Senhoras acenavam com verduras, sentadas de pernas cruzadas encima das batatas que estão por vender. Tudo tinha o poder de nos deixar agradecidas por o que temos e felizes por vivenciar tal experiência.

Uma viagem que dava um livro.
[Há viagens das quais não se pode falar mal, nem com esforço, então mais vale partilhar e ponto final]

12 comentários:

  1. Que delícia! :) O Vietname faz parte daqueles destinos que quero fazer nos próximos tempos. Por qualquer motivo, acho que faria sentido juntar o Cambodja e o Laos! Quanto tempo lá estiveste?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cambodja e Laos faz muito sentido. Eu fiz cambodja e depois tailandia, um destes dias escrevo sobre a tailandia...são sitios de outro mundo! No cambodja estive uma semana, depois duas semanas e meia na tailandia. Trata de juntar os trapinhos e ir...vais amar!

      Eliminar
    2. Ai que totó que eu sou! Achei que estavas a falar do Vietname... Estive em Banguecoque há uns anos, mas na altura acabei por seguir outro rumo (Singapura, Malásia e Indonésia). Mas este ano tenho de voltar a Macau (a trabalho) e estou a tentar combinar com outro destino "mais férias", vamos lá ver onde vou parar.

      Eliminar
    3. Da Tailandia Banguecoque é a parte que menos gosto, é interessante, mas a beleza natural do pais, a boa comida e gente incrivel não tem comparação. Singapura, Malásia e Macau também já fiz, esses em trabalho, tenho que voltar de férias. Mas Macau merece uma escapadela a algum sitio perto....depois conta-me onde decidis-te ir!!

      Eliminar
  2. Inveja, inveja.... no bom sentido.
    É um dos q adorava conhecer . Fiquei com um gostinho na boca.
    Boas viagens .... que venham mais.

    ResponderEliminar
  3. Olha... Aqui a Je o mais longe que foi para Este foi à Rússia...
    E gostava "bué" de fazer o Transiberiano!
    Quem sabe um dia.... Com as crianças crescidas... Pegue no Mr Boop e vá!
    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Russia está na minha lista para breves!
      E o transiberiano <3
      Não tarda estás de mala feita vais ver =)

      Eliminar
  4. r: Acredito!
    Podes sempre optar pelos bolos de caneca :)

    ResponderEliminar
  5. Ó pá... assim não vale.
    Eu aqui mortinha por fazer uma viagem qualquer, nem que seja ali ao virar de esquina,(preciso mesmo de mudar de ares, urgentemente. acho que dá para notar...) e tu com este texto de fazer inveja a qualquer um.
    Não dá. A sério, assim não dá mesmo.
    ;p

    ResponderEliminar
  6. Mas que maravilha... é de ficar de coração cheio.

    ResponderEliminar