terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Profissão de Risco

O suor frio que se sente na tempora, o coração a palpitar velozmente como se sobre a língua estivesse e a pressão constante de quem arrisca a sua vida em prol de um bem maior: sobreviver. Os pescadores de caranguejos do Alasca dizem ter a profissão mais arriscada do mundo, mas a realidade é que eles nunca se sentaram de frente a um computador, com o rato com luz vermelha pimpona a brilhar e os auscultadores com mais força áudio que o Pavilhão Atlântico. Profissão de risco, é ser Gamer.

Um Gamer é um ser que se senta ao computador com uma camara apontada à penca e [pausa dramática]… joga. “Ah mas não podias gastar o teu tempo a jogar em vez de ver um individuo durante horas a jogar?” Podias…mas não era a mesma coisa. Nem todos os seres vivos foram talhados para lidar com o stress e risco desta profissão, por isso contentam-se com a emoção de os ver, como ver um gatinho a ser salvo de uma arvore por um bombeiro.

Se eu em cachopa tivesse dito à minha mãe, “…cara entidade maternal, o meu propósito nesta vida que tu concebeste é ficar de rabo alapado à cadeira o dia inteiro e esperar que milhares me sigam por eu jogar Candy Crush”, a minha mãe tinha-me atirado de uma ravina como um espartano faria a um filho que saísse defeituoso. Se alguém me disser que me paga para eu gritar que nem uma menina por cada fantasminha que apareça no ecrã, eu juro que seria a Marey Carey dos Gamers.

Venham dai os pudicos protetores desta profissão atirar-me agora com discos externos à cabeça, “Ah ser Gamer é um trabalho a sério”. Está bem. Não obstante, ser varredor de rua também é, porque senão estaríamos enterrados em excremento, e não é por isso que têm 40 mil seguidores, que lhes pedem autógrafos e ficam a olhar fixamente para eles a ver qual será o próximo movimento da vassoura, como salta a poça de agua com o carrinho do lixo ou como derrota a implacável pastilha rosa no asfalto.

Antes só tinham seguidores os vídeos das senhoras que se desnudavam para receber o carteiro, canalizador ou funcionário da EMEL, hoje em dia a ação está toda no vibrar do rato. O futuro assusta-me.

12 comentários:

  1. Quem me dera que o meu propósito de vida fosse receber dinheiro para estar de cú sentado e a jogar e a comer m&m (mas do de amendoim)... ai... era preciso tão pouco para ser feliz

    ResponderEliminar
  2. Respostas
    1. Não...a falta da oportunidade profissional de ser gamer é que sim

      Eliminar
  3. se o fazes com gosto...é uma grande trabalho...que interessa fazer algo bem visto na sociedade e não nos dizer nada a nós!

    bom dia

    -___-

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas quando se é feliz e se faz o que se ama não há mais nada a acrescentar.

      A crónica passa por comentar como o mundo muda, como o ganha pão muda entre gerações.
      A sociedade até aos dias de hoje não dão valor a um empregado de mesa e estão por todo o lado.
      Faz-nos bem rir de nós mesmos e do que nos rodeia...não significa isso menosprezo nem desrespeito, chama-se humor.

      Bom dia.

      Eliminar
  4. Nada,
    Volvidos tantos anos (sequer arrisco voltar séculos), a sociedade remexeu as suas linhas de condução. A ideologia inverteu-se, os sonhos são outros, as ambições perderam a medida e o coração já não palpita ao cruzar as mesmas coisas. Não sei se é evolução, mas mutação é certamente. Não sei se Gamer é profissão, mas chega a entretenimento. E, porventura, bem maior hoje do que noutro tempo, a sede de ocupar a mente com tudo e com coisa nenhuma.
    Não temas o futuro, o pior já superaste. Não sucumbiste, salvaste-te de uma queda aparatosa e evitaste ser deserdada. ;)

    ResponderEliminar
  5. Não teria qualquer competência para lidar com esta profissão de risco :o

    r: Eles merecem :)

    ResponderEliminar
  6. Quem me dera nascer agora e de certeza que a minha opção não passava pelas ciencias mas sim qq coisa que me permitisse alapar o dito cujo e usar apenas um neuronio de cada vez para ver se davam para mais uns anos.....

    ResponderEliminar
  7. Opá... tenho-me lembrado TANTO de ti.. nem acreditas :o Como andas? Conta-me coisaaaaaaaaaaas :) que mail usas agora? Temos de voltar a falar! Saudades!!!!!!!!!! (Roberta)

    ResponderEliminar
  8. Goste-se ou não, com os tempos surgiram profissões completamente diferentes das mais convencionais e antigas. Já nem toda a gente sonha ser médico, advogado ou professor. Com as redes sociais surgiram também novas oportunidades de fazermos o que gostamos e sermos pagos para isso, o que eu acho sinceramente incrível! Ser blogger, youtuber ou influencer são profissões, atualmente. Se é parvo? Pode ser, aos olhos de alguns, mas lá que rende...

    Eu não fazia ideia que havia quem ganhasse a vida a jogar, mas um dia o meu namorado introduziu-me a esse mundo todo. Já estou mais por dentro do assunto e olha que acho bastante incrível que exista realmente quem pague para ver alguém jogar. Mas vai daí e até é uma coisa engraçada: se me dissessem "filha, fica aí a escrever posts para mim que eu adoro ver e vou-te pagar!", não ia ser eu a recusar :) Já viste a felicidade de fazer uma coisa de que gostamos, fazê-lo por puro prazer e ainda haver quem nos queira pagar por isso? Mais fácil do que fazê-lo com uma profissão das tais convencionais, já que nem toda a gente tem a possibilidade de fazer carreira nos cursos que tirou, quanto mais fazer o que gosta como profissão.

    Sei que um dia estava o moço a ver uma miúda qualquer jogar um jogo qualquer no Twitch e ela ganhou mais de mil dólares em uma hora, só em donativos de quem a estava a ver. Tomara eu ter jeito para isso, a ver se não o faria também! :) Gamers ao poder ahahaha

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É o que eu te digo...tivessem alguma vez dito olha joga...ou olha escreve...eu era a mais feliz da aldeia. Opah se um jogador de futebol lhe pagam para fazer o que gostava em miudo o resto tambem devia poder...seja isso jogar consola ou comer macacos do nariz 😜

      Eliminar