sexta-feira, 1 de maio de 2015

Felicidade aos molhos

As pessoas demasiado felizes fazem-me espécie. Terão que sorrir a tempo inteiro para expressar felicidade ou terão usado daqueles aparelhos que o arame dá a volta à cabeça por demasiados anos e agora estão a mostrar até os podres por sofrerem de compensação? Pode ser que tenham morto alguém e sejam extremamente sádicos, fazer cortes à Joker parece doloroso, mais vale forçar o sorriso a tempo inteiro. Pode ser que só tenham o maxilar deslocado?

Cada indivíduo devia ter, por lei, direito a um máximo de quatro dias de pura felicidade consecutivos. Mais que este período de tempo sem uma intoxicação alimentar ou a sua série favorita ser cancelada não é exequível. Estas pessoas deviam levar com um barrote de madeira no focinho, só porque me irritam. Assumo de imediato que são tão estúpidos que não se aperceberam que têm familiares a morrerem, existe aquecimento global e fizeram demasiados filmes do SAW.

As pessoas demasiado felizes deviam ser banidas da via pública, expatriadas todas para a Antárctida para animar aquilo. Aqui só empatam, de mãos dadas com os seus três filhos à saída do metro, bloqueando a passagem às dezenas de pessoas que estão mal dispostas e a ir trabalhar contra vontade. A fazer posts consecutivos nas redes sociais com montagens do amor da sua vida, que todos nós sabemos que lhe há-de dar com uma cadeira encima por também este se fartar de aturar tamanha felicidade. Já para não dizer que não são de confiança. O Hanibal Lecter sorria que era uma coisa parva e era vê-lo comer o apêndice do carteiro ao pequeno-almoço.

Caríssimos, está cientificamente provado que não existe felicidade absoluta na totalidade da nossa existência na terra. Parem de sorrir em lugares públicos onde todos estão miseráveis. Chega de sorrir em fotos de casamento, isso são dois anos e estão divorciados. Chega de sorrir no carro a caminho do trabalho, a taxa de desemprego é crescente, não sabes se estarás a conduzir para o teu último dia de trabalho. Ser miserável é mais in e recebe mais comentários de facebook.
 

[Vá, agora tratem de ser felizes…um bom fim de semana]

16 comentários:

  1. É verdade, a felicidade absoluta não existe, mas aquilo que se transmite é uma questão de perspetiva: porque há quem prefira viver a valorizar o lado negativo e quem prefira arregaçar as mangas e não se deixar ir a baixo (claro que depois há toda uma série de complicações mais sérias que nos obrigam a viver nesse estado mais negro, digamos assim, por questões de saúde, mas é por aí que quero entrar).
    Estou sempre a sorrir porque quero, porque realmente é assim que me sinto bem e porque dou valor às pequenas coisas que me fazem bem. Acho que corro o risco de ser banida ahahahah

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Deixa lá que contra mim falo...fiz este texto depois de uma amiga a título de brincadeira ter dito que eu a irritava por estar sempre bem...e ri-me e percebi onde queria chegar. Felicidade é viver exactamente das pequenas coisas e dar valor ao que temos...tão simples quanto isso ^^

      Eliminar
  2. Estás em grande, rapariga, não demores tanto entre vindas.
    Isto bebe-se tudo até ficar bêbada e esquecer o sonho da felicidade eterna e, de caminho, as caras dos anormais cujo sorriso de orelha a orelha - literalmente - há-de ter sido rasgado a naifa por algum palhaço perverso.
    Bom fim-de-semana e beijos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Assim que conseguir regularizar a minha vidinha e os meus horários demoníacos estarei cá tanto que já não me vão querer aturar mais! Bom fim de semana e Beijooo!!

      Eliminar
  3. Eu conheço algumas pessoas assim, e até me faz impressão. Confesso que a boa, exagerada e forçada disposição dessas pessoas me trás má disposição. Não tenho culpa, é uma sensação irreflectida. Tento viver o melhor que posso com tanta boa disposição. As vezes dou comigo a pensar: - porquê?
    Deve ser uma postura com a vida, deve ser mais leve assim, não sei. É como a cena dos sucos verdes e sementes, modas de mentalidades.

    ResponderEliminar
  4. Este texto faz todo o sentido. Faço, contudo, todas as ressalvas, porque não pretendo ser alvejado por um qualquer demoníaco defensor do sorriso ininterrupto. Percebo a perspectiva de que a felicidade não existe a tempo inteiro, aliás, defendo-a. Por seu turno, aceito as pessoas que gritam a visão positiva da vida, cujo objectivo da sua existência, é a felicidade eterna. Ainda assim, desconfio. Enfim, diz-se e terá um fundo de verdade, os alheados são mais felizes.

    ResponderEliminar
  5. A brincar a brincar há pessoas a quem, realmente, incomoda a felicidade dos outros. :)

    ResponderEliminar
  6. LOL tudo que é demais dá para desconfiar! Mas essa do Hanibal Lecter foi excelente! :D

    ResponderEliminar
  7. Que mau feitio desgraçado com que tu andas.
    E pode-se saber por onde andas há um mês? Mas isto é assim: pisgas-te e não dás satisfações a ninguém..?

    ResponderEliminar
  8. O teu texto está mesmo muito engraçado xD
    Mas nós ultimos dias tenho feito parte desse grupo de pessoas que devia ir para a Antárctida, como dizes xD

    ResponderEliminar
  9. Onde andas tu, menina?
    Fazes falta, tá?
    Beijinho tremeluzente e bruxuleante.

    ResponderEliminar
  10. Repito: onde andas tu, menina?

    Feliz Natal, hã?

    ResponderEliminar
  11. Pelo contrário, publicações tristes afastam a malta, daí todos darem a ideia de terem uma vida perfeita.

    ResponderEliminar
  12. isto foi tão verdade que até doeu! adorei!

    https://exceptionally-pointless.blogspot.pt

    ResponderEliminar