sexta-feira, 6 de março de 2015

Não tem nem cara para um estalo

Acordar e contemplar a imagem da minha cara caso eu fosse projectada de um autocarro a alta velocidade contra um poste. Ora este deve ter sido o pensamento que usurpou o raciocínio lógico da Renée Zellweger e, logo em seguida, de Uma Thurman com uma maquilhagem arrancada a ferros. Dá Deus boas feições a quem não tem cérebro. A jovem dinâmica Uma Thurman até teve um sinal divino chamado Renée a dar a cara ao público (mais valia ter ficado na cave partilhada com o serial killer do Texas Chainsaw Massacre), que foi como um pelotão de pequenas dançarinas chinesas a acenar bandeiras onde se via escrito “estupidez sacra”.

Podem alegar que estava no seu direito e que mais vale estar agora no corpo em que se sente bem e que sempre quis. Mas será que ela queria realmente parecer uma bela aguarela pintada na mais fina tela, sobre a qual foi derramado um litro de diluente pelas mãos trapalhonas de uma senhora vesga? Se esse é o caso o cirurgião plástico foi brilhante a desempenhar o seu trabalho, caso contrário queimem o homem em praça pública!

Será Hollywood tão pequeno que elas não tiveram o prazer de conhecer o Mickey Rourke? Aquela cara não teve origem no Wrestler, mais valia que ele tivesse a desculpa de ter levado no focinho até ficar naquele estado. Este homem, mais metade da equipa dos Mercenários, é o exemplo perfeito de como cirurgia estética em excesso dá mau resultado.

Se esta moda pega, nem o facebook nos vai ajudar, porque vamos deixar de reconhecer as pessoas que nos rodeiam. A menos que, tal como eu, só tenham amigos pobres e aí não têm com o que se preocupar. 

9 comentários:

  1. Olha, eu sou como tu, não tenho que me preocupar :)))

    ResponderEliminar
  2. A Uma Thurman era só maquilhagem, ou falta dela, deu uma entrevista dois dias depois igualzinha ao costume :)

    ResponderEliminar
  3. Acho que o mal de algumas pessoas é mesmo ter muito dinheiro. Se não tivessem não tinham estes ataques de loucura

    ResponderEliminar
  4. Aquilo deve ser um processo obsessivo como outro qualquer. Começa e nunca mais acaba. É que só pode.
    Psiquiatria, antes de Cirurgia Plástica. O problema está no "andar de cima", sim, mas por dentro.

    ResponderEliminar
  5. Quando mexem na cara, quase sempre sai asneira

    ResponderEliminar
  6. Ainda não consegui entender a animosidade contra as plásticas faciais. Se não fosse um zapping que me fez aparecer de supetão a Moura Guedes na pantalha, ainda hoje via TV, diariamente, para mal da minha sanidade mental.

    ResponderEliminar
  7. Eu acho que não tenho com que me preocupar :) Mas agora fora de brincadeiras... é preciso ter muito cuidado com estas coisas.

    ResponderEliminar
  8. Gostei;) " dá Deus boas feições a quem não tem cérebro" muito bom;)

    ResponderEliminar
  9. Sempre em busca da fonte da juventude! a sede é tanta q depois da porcaria!

    ResponderEliminar