terça-feira, 27 de maio de 2014

Ser Português é F...

Ser português é nascer a cantar o Fado, enquanto se reza a Fátima que a ladainha da Family Frost pare de tocar de madrugada na rua e caso não se concretize por meio divino partimos o retrovisor da carrinha com uma bola de Futebol. Fado, Fátima e Futebol diz-se que são os três F que definem a nossa nacionalidade. Para além do facto subjacente de eu me provar um terrível exemplar do espécime português, não deixa de ser caricato que o que nos define vai de encontro em grande parte às temáticas que se dizem tabu quando tencionamos manter uma conversa saudável: Futebol, Religião e Politica (deve haver comunistas que cantem o fado, logo, é politico).

Deram-se mais umas eleições que me parecem ter sido relativamente negligenciadas, como aquele conhecido com mau hálito que fingimos não ver no metro para evitar o constrangimento de querer regurgitar quando abre a boca. Há cartazes em todo o lado e o icónico carro com altifalantes que ensurdece a população com as mais encantadoras baladas políticas, para o qual as pessoas olham e ouvem com desprezo, como quem diz “se não vir é porque não existe”. A população deixou de acreditar na política, como tal acho que está na altura de criar um novo método de voto, como por exemplo colocar urnas à entrada do piquenique do Continente. Não seria exacto que os votos viriam da população mais instruída politicamente, mas ao menos alguém se deslocaria às urnas e não seria como agora, que os únicos vinte votos que deram entrada são dos infelizes que tiveram que trabalhar nos postos de voto e votaram de tédio. Votar não é só um direito, como uma obrigação, nem que seja em branco, caso se abstenham do voto, abstenham-se também do direito de opinar da situação mal parada do país, pois sentados no sofá certamente não estão a mudar nada para além do canal.

Não tenho particular apetência para falar de politica, o meu favoritismo passou, em jovem, pelo comunismo, três dias por ano, porque os concertos do Avante eram melhores que os dos comícios de extrema direita. No que diz respeito a futebol sempre fui da equipa que ganhar o que me permite estar sempre a festejar vitórias de equipas que nem sei pronunciar o nome. Já Fátima é uma terra muito bonita e também aprecio a escolha do nome Fátima para criancinhas de tez pálida, mas sinceramente não sei rezar e as minhas crenças passam pela fé na humanidade e por viagens low cost.

24 comentários:

  1. Cá para mim não és portuguesa, vai lá verificar se não foste adoptada.

    ResponderEliminar
  2. «Votar não é só um direito, como uma obrigação, nem que seja em branco, caso se abstenham do voto, abstenham-se também do direito de opinar da situação mal parada do país, pois sentados no sofá certamente não estão a mudar nada para além do canal». E numa frase descreveste exatamente aquilo que eu penso!

    ResponderEliminar
  3. tantos "éfes" até dá vontade de praguejar, mas não vale a pena. isto é má sorte, ter nascido aqui à beira mar plantado, e precisar de entender como funciona o mundo! mesmo com a experiência dos frangos...

    ResponderEliminar
  4. Pois ainda bem que há quem se levante do sofá para ir mudar o país. Assim têm que assumir as culpas de não terem mudado nada.
    Nós, os que se estão a borrifar para o "mais do mesmo", queremos é os Chaimites (agora são os Panduru) na rua e que desta vez ninguém se lembre de entupir os canos das G3 com cravos.
    As armas não são jarras de flores. Ahahahah

    ResponderEliminar
  5. Esta letra dos comentários confunde-me as "bistas" mas uma pessoa vem na mesma parabenizar esta bonita reflexao. Só é pena teres toda a razao, porque o assunto merecia mais importancia doq eu 2/3 dos eleitores lhe deram.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois confunde. Já ando para reclamar há que tempos, mas não queria estar a dar ordens na casa dos outros. xD

      Eliminar
    2. Está bem gente refilona do monte...eu mudoooo!!! A mim não me custava porque os leio antes de estarem publicados...muahaha. O egoismo blogueiro. Vou já tratar disso

      Eliminar
    3. Longe de mim dar ordens em casa alheia! Tratou-se apenas de um alerta (desesperado) de alguém que se via impossibilitada de ler comentários volta e meia porque se lhe trocavam as vistas.
      Venho agora agradecer o favor concedido, também partilhado por mais comentadores deste belo tasco! Um grande bem haja e uma salva de palmas para a autora :)

      (A sério, é uma diferença brutal! Até melhorei do reumático e Buda sabe o que dói)

      Eliminar
  6. A minha avó sempre me disse, vota, vota sempre e sempre nos que perdem, a abstenção tem uma estranha influência de dar força a quem ganha e não dar nada a quem perde..
    Votar só não chega, devemos votar com inteligência e por vezes contra a nossa cor...

    ResponderEliminar
  7. Eu adicionava mais uns quantos éfes....
    Falido, feito ao bibe e fod.......................

    ResponderEliminar
  8. Ouvi-os pela primeira vez na terça, mas fiquei logo rendida. Muito, muito obrigada! É mesmo bom ler isso :)
    Não conhecia, mas já estou a ouvir e tens razão, gosto mesmo. Obrigada pela partilha

    ResponderEliminar
  9. Oh menina, a Festa do Avante continua a ter os melhores concertos!!! :)))

    ResponderEliminar
  10. há sempre excepções que confirmam a regra...

    ResponderEliminar
  11. Carros de campanha???
    Agora que falaste nisso, garanto que não vi nenhum!!!
    Ou será que faço parte dos surdos, e não sabia??????
    Olha eu fui, e vo(l)tei!
    A merda fi saber que estava a votar mal! Que qq voto seria mau! Mas tb acho que não votar seria pior!
    E lá se ouviu os chavões do costume: as pessoas exigem os seus direitos que herdaram nem sabem de quem e não se responsabilizam pelos seus deveres……
    Eu não sei!
    Não sei se o ser humano é assim tão livre e capaz de entender o conceito de direitos e deveres….
    E nos últimos dias parece que só nos sobra o futebol…..

    ResponderEliminar
  12. Olá Nada...F***** tens razão! Sempre pensei que nas últimas eleições se daria a volta ao regime, enganei-me porque apesar de cada vez existirem mais Famintos e Falidos a maioria pensou que não ir votar mudava alguma coisa, enganaram-se a eles mesmos, quer dizer então que andamos todos enganados por nós próprios, daí o meu aziume...Cada vez há menos marinheiros e mais velhos do Restelo, ninguém parte à descoberta e fica tudo a dar palpites, triste Fado...Folclore, sem relação com etnografia é o que mais há, é ver o velho Costa do Restelo a clamar que está pronto par ir à luta, agora que os sinos dobram, triste Folclore...Fátima, restava-nos ter um milagre mas é difícil a Santa entender o que o povo quer, crentes e descrentes pedem-lhe o impossível, porque cores de todos os quadrantes clamam a vitória, triste Fátima...Futebol, o mais importante para distrair o povo, enquanto olha para a bola até se esquece que lhe estão a ir à carteira, mas esta, tem sempre uns tostões para gastar, no entanto quase nos querem fazer crer que futebol são Ronaldos e outros craques esquecendo-se que o futebol é um jogo de equipa, depois choram baba e ranho tal como aconteceu no Euro em que a Grécia nos limpou o sebo, triste Futebol...bem tenho um percurso a virar frangos que começou numa FEC(ML), numa LCI, numa ligeira sauna no MES terminando no PCP, agora mantenho apenas ideais de Liberdade e Fraternidade porque a igualdade pode contingenciar a liberdade mas, no que respeita ao voto, estou lá sempre e em todas ficando sempre de bem com a minha consciência e nunca voto em branco porque considero que é o mesmo que passar um cheque dessa cor...Nada, não disse nada e neste meu desabafo que já vai longo digo: ele e-Faturas, Facciosos, Fictícios, Falácias, Falsidades Fazendo de nós Farrapos, Fartos de Ficar com a Fava, não haverá por aí um Falo que os Fornique? FFFFFFF............

    ResponderEliminar
  13. Nunca fui ao Avante ahaha Eu fui votar por achar que era o mais correcto, porque é, mas sem dúvida que se tem de arranjar outro método de voto!

    ResponderEliminar
  14. Eu admito que andei um bocado a lesta das eleições, não me dediquei a conhecer melhor os candidatos como em eleições anteriores, mas mesmo assim fui votar no que me pareceu mais adequado. No entanto há pessoas que não vão votar só para depois, se as coisas derem para o torto, se poderem gabar de não ter sido eles a votar. Conheço casos desses e só apetece partir para a violência :P

    ResponderEliminar
  15. Infelizmente os tugas só se enervam com o futebol e deixam a política passar ao lado.

    ResponderEliminar
  16. Tens razão, todos deviam votar. Por muito descontentes que estejam com todo o panorama, é essencial não abdicar do direito de voto. Ficar como meros assistentes da vida não melhora em nada.

    ResponderEliminar
  17. Não consigo entrar na Panóplia e garanto que não sou abstencionista. Vou tentar até votar, quer dizer, até conseguir.
    Este seu texto tem que se lhe diga e eu, apesar de me sentir um pouco lerdo desde Domingo, vou, mesmo assim, arriscar algumas balelas:
    Do cidadão-eleitor tuga já escrevi no blogue e não me vou repetir.
    Fado e fátima estão gastos, mas não resisto a deixar aqui uma sugestão do género dois em um, ou melhor duas em uma: A soror Assunção Cristas tem nome adequado à senhora e apelido de quem sabe cantar, já que não conheço qualquer galinha que não tenha aquela excrescência avermelhada por cima da cabeça.
    De Futebol não falo, porque está no defeso. "Pertanto, Prontos! Como diria o Jasus."
    Já no que respeita à militância politica a que alude apenas me ocorre um Oh! de espanto...

    ResponderEliminar
  18. Não deixo de concordar contigo em grande parte do que escreveste. É comum ouvir-se das ideias feitas, do Portugal resumido, das gentes alheadas do todo e desavindas, em particular, com uma certa intelectualidade que lhes oferecesse vontade de ir mais longe. Não quero entregar a culpa à ausência de conhecimento e nenhuma vontade de se envolver, mas faz mossa. Depois, essa dita intelectualidade, vota e repete caminhos. Porventura, a mossa é bem maior do que a desejável. É medonho perceber, que outras políticas e posições ideológicas ganham, a galope, espaço e capacidades de gestão.

    ResponderEliminar
  19. Em parte concordo contigo, mas Portugal vai para além disso.

    Fátima tem mero século e a querida pátria muitas vezes duplicou esses anos.

    Depois, o fado é coisa que não remonta a Viriato para não ir mais longe na nacionalidade.

    Eu diria que a história se vai escrevendo e o que nuns momentos nos parecem definir noutros são irrelevantes ou até inexistentes.

    Sou portuguesa, sem grande orgulho, confesso, mas quando começo a olhar para a história de outros países até nem tudo é assim tão mau.

    E se as pessoas gostam dos 3 'F', que gostem, pois então.

    A vida é para ser vivida em alegria, mesmo que ignorante ou populista.

    Cada um decidirá.


    Beijinhos

    ResponderEliminar
  20. O problema é mesmo esse, os portugueses preferem ficar a virar frangos a fazer aquilo que realmente deviam para tentar mudar alguma coisa.
    beijinho

    ResponderEliminar