sábado, 24 de maio de 2014

Falta de visão

Ao nascimento os nossos pais esperam que sejamos saudáveis e de preferência pouco estúpidos, umas crianças têm um perfil aventureiro, brincalhão, eu tinha em mim algo de empreendedora. Na escola primária vendia fotocópias de desenhos do Dragon Ball, a preços dignos de serem obras de Dalí, em prol de comprar o bem mais precioso na infância de qualquer um, gomas. Cresci e desenvolvi a minha lábia de vendedora, sendo na escola básica capaz de vender tranças de lã de cores variadas, que anunciava serem pulseiras de sorte com os mais variados significados, na compra de várias recebiam uma descrição do seu signo que retirava detalhadamente do teletexto. Abandonei a carreira de aldrabona a uma tenra idade pois verifiquei que aquelas crianças de ingenuidade sem par não iriam certamente originar os adultos mais brilhantes, não constituindo um desafio para o meu desenvolvimento psicológico e económico. Escusado será dizer que era uma mulher de negócios que trabalhava na obscuridade do anonimato, pois se a minha mãe descobrisse arrancava-me a cabeça a grito. Não fosse a falta de desafio e teria dado uma traficante de droga ou armas extraordinária.

Passado tantos anos de ter abandonado uma carreira promissora na área do tráfico de produtos ilegais, olho em volta e apercebo-me que nasci no país errado, pois tanto alarido em torno dos requisitos das bandas que irão actuar no Rock in Rio é pura falta de visão. De pistas de atletismo, frigoríficos e barcos insufláveis, tudo faz parte da lista de necessidades básicas dos artistas estrangeiros. Quando nos deparamos com os pedidos das bandas portugueses, passam por água engarrafada e os ingredientes necessários à confecção de sopas de cavalo cansado. Ora é falta de visão! O português só pensa no dia de hoje e como é bom enfardar pão com manteiga após balbuciar meia dúzia de palavras cantadas. Já bandas, como os Arcade Fire, que engenhosamente pediram 100 toalhas de banho, estão visivelmente a planear um futuro em que alguém da banda tem uma overdose ou simplesmente deixam de produzir música de jeito. Se em cada concerto lhes providenciarem essa quantidade de toalhas, eles estão mais do que amanhados para ser proprietários de uma promissora carrinha de venda de toalhas em qualquer praça europeia.

Foco-me agora, então, no que me levou a falar sobre este assunto, que foi a ausência de lasanha na superfície comercial que frequento. Se não fosse a falta de visão portuguesa, tínhamos abastecido os super mercados como se nos estivéssemos a aproximar de um apocalipse zombie, visto que, este fim-de-semana, Lisboa foi invadida sem dó nem piedade por espanhóis. É triste que nem o país rentabiliza esta situação, nem eu janto lasanha. Se eu tivesse seguido o meu destino, traçado desde tenra idade, tinha conseguido vender uma bazuca por preço amigável à equipa que visivelmente vai perder, provavelmente portadora de uma lasanha que estaria disposta a abdicar ao bom amigo traficante de armas. Caso contrário, ao menos tinha uma bazuca para acertar no fulano que ficou com a última lasanha.

23 comentários:

  1. Magistral! :)))
    Queres ser a minha "madrinha" mafiosa? ;)

    Beijinhos Marianos! :)

    ResponderEliminar
  2. Estou a pensar se te hei-de tratar mal por teres gozado com os "meus" Arcade Fire.
    Se um dia o meu blog for referenciado na Lux ou na Nova Gente, e se tornar famoso, vou-te convidar para lá escreveres. És a maior :)

    ResponderEliminar
  3. É preciso ter cuidado contigo, passaste mesmo ao lado de uma vida mafiosa :p ahahah

    Quando soube que ele vinha atuar até fiquei de queixo caído, não estava nada à espera. A noite de São João é mesmo uma festa em grande, que dura toda a noite, mas que no dia seguinte ainda há genica para continuar. Também não percebi porque começou tão cedo, mas agrada-me a ideia porque é uma oportunidade fantástica para vermos alguns espetáculos e participar em algumas atividades. E depois também é uma forma de dar vida à cidade

    ResponderEliminar
  4. Ahahah tu és demais! Eu na escola vendia cadernos LOL era mesmo totó

    ResponderEliminar
  5. Ah sim, ouvi dizer que Lisboa ficou atolhadíssima de espanhóis por causa do jogo. E que houve pessoal que fez negócios extraordinários de aluguer de quartos nos seus apartamentos. Há gente como tu, que tem olho para o negócio :D

    ResponderEliminar
  6. A eterna falta de visão dos portugueses para o negócio. xD

    ResponderEliminar
  7. falta de visão, pá... uma pessoa querer comer lasanha e não poder, é o fim

    ResponderEliminar
  8. Ahahahah, tinhas olho para o negócio. :p

    ResponderEliminar
  9. ahahah Tu é que tens olho para o negócio!

    ResponderEliminar
  10. Quando uma pessoa não consegue comer a sua lasanha o mundo está perdido ! Ahahahahaha, brincadeira... Gostei do texto :)

    ResponderEliminar
  11. não sabes o gozo que me deu ler este teu post :)
    r: Eu não fico sem palavras por sorrir genuinamente , uma coisa nunca implica a outra :)

    ResponderEliminar
  12. Texto muito bom :) e muito bom olho para o negócio!

    ResponderEliminar
  13. Que post delicioso!! Eu ainda mantenho a veia cigana (como eu lhe chamo) :)

    ResponderEliminar
  14. Muito bom! Ahah Não teres comido essa lasanha vai te tornar numa pessoa mais amarga. xD

    ResponderEliminar
  15. Tu és viciada na lasanha processada industrialmente???!!! Ó balha-me... ;))))
    Tenho para mim, que muitas das completamente absurdas exigências dos artistas têm apenas e unicamente um objetivo: gozar à fartazana!!!!
    A minha mãe é como tu, vende até banha da cobra... impressionante, só te digo!!!!

    ResponderEliminar
  16. Sempre mantive uma certa reserva em relação à “arte de vender” -nada de pessoal. Não esqueço o dia em que fui a Belém para comprar pasteis e um promotor turístico ambulante me quis impingir os Jerónimos e a Torre de Belém, acrescentando ao pacote o antigo Museu dos Coches.
    Depois de um fim-de-semana em que pouco mais fiz do que reflectir e, claro, votar, apenas me ocorre acrescentar que comi uma lasanha que me soube muito bem.

    ResponderEliminar
  17. Absolutamente extraordinário. Há, neste texto e na tua escrita em geral, uma pitada certeira em muitos dos temas quotidianos vazios e desnaturados, desde logo. Tu pegas nelas e transformas em excelência. Depois a lasanha, bem, se é digna, tratar-se-á de um excelente motivo para regressares à clandestina ousadia de roubar a inocência alheia! ;)

    ResponderEliminar
  18. Eu chego aqui e adoro o que leio, farto-me de rir, na maioria das vezes pelas analogias que fazes, mas depois começo a escrever um comentário e só me sai borrada... Escrevo, apago, escrevo, apago e ando nisto até me sair alguma coisa do género: 'olha, li e gostei' :)))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não te preocupes...eu antes de escrever seja o que for faço o mesmo...e sou a pior pessoa com comentários...de sempre!! Mas gostares vale tudo já...muito muito obrigado =)

      Eliminar
  19. Ahhhh, lasanha ultra congelada?! Não faças isso (ever again!)... Anda cá, que eu mostro-te o que é lasanha caseira de qualidade :)

    ResponderEliminar
  20. Adorei, adorei, adorei! Escreves muito bem. É pena que tenhas desistido da carreira de aldrabona, poderias ter tido um futuro promissor e, quem sabe, um dia governar o país =P

    ResponderEliminar
  21. Ainda tentei vender rebuçados na escola para ganhar algum, mas depressa percebi que não tinha jeito nenhum para vendedora. Para vender é preciso ter dom. ;) Já vi que tu o tens.
    beijinho

    ResponderEliminar