domingo, 20 de abril de 2014

Quem quer companhia que compre um cão

Uma nêspera bolorenta no meio de um pomar brilhante é o que a sociedade actual nos faz sentir quando nos expomos como alguém solteiro. As avós benzem-se, as amigas arranjam-nos encontros com os amigos mal amados e os pais fazem discursos eloquentes sobre as maravilhas de ser avô. Porém, passados tantos anos de falhas épicas no que diz respeito a relacionamentos humanos, a sociedade devia era atirar com calhaus a pessoas que ainda caiem na esparrela.

Quem quer companhia compra um cão. Eu, na ausência de um senhorio que mo permita, arranjei um namorado que se assemelha tremendamente a um Chihuahua. Projecta guinchos ensurdecedores cada vez que detecta uma situação desconhecida para a qual não vai ter argumentos, gane quando quer comida ou colo, foge se a situação parece que vai azedar, é dado a pouco trabalho e esforço físico como diva que se preze, tenho que o passear pelos bares locais para fazer reconhecimento da área e apesar de castrado continua armado em galifão. A culpa é minha, com tanto São Bernardo jeitoso que povoa este país, arranjei a coisa mais rafeira e apetecível de pisar. Sejamos claros, isto não é uma ofensa ao sexo masculino, apenas uma constatação da minha falta de gosto. Eu sei que é uma crueldade abandonar animais, mas volta e meia apetece-me atira-lo do carro na auto-estrada e arrancar. Ele é fofinho, seguramente alguém lhe iria dar um lar cheio de amor.

Gosto de me fazer crer que há bons partidos espalhados por este mundo, simplesmente têm os reflexos extraordinários e fintam-me. O único de jeito que apanhei distraído tinha que ser de outro continente e isso envolvia um trabalho para o qual não fui talhada. Sentido de humor e cérebro não pode faltar em homem meu, mas vem sempre com brinde e não há fava que eu não trinque. Este veio com uma necessidade de alimentar o ego. Característica, esta, que é dos maiores defeitos que posso encontrar num ser humano de tão irritante que se torna, mas que estava disposta a tolerar, não por amor, mas por pratos lavados e a cama feita. Escusado será dizer que mais vale fazer a cama com ele lá dentro por tamanha inércia. O meu maior problema é a mãe dele que tem olho e não me vai deixar escapar, que ela está confiante que mais ninguém agarra aquilo e lá fica ela entalada com ele em casa. Já descobri que não se podem vender seres humanos no OLX, aparentemente é tráfico humano, agora só me resta fugir do país, mudar de nome e fazer uma plástica.

 

12 comentários:

  1. Isto é um tratamento abaixo de cão. Ahahahahah

    ResponderEliminar
  2. Fartei-me de rir com as comparações, acho que ele se ler também vai adorar o texto (ou não ahahah).
    Realmente, os anos passam e a pressão que a sociedade impõe a quem permanece solteiro continua a fazer-se sentir, como se isso fosse uma doença contagiosa a precisar de uma cura urgente.

    Boa Páscoa, beijinhos*

    ResponderEliminar
  3. Coitado do rapaz!
    Cá para mim, depois de ele ler isto, vais-te voltar a sentir como uma "nêspera bolorenta". Sim, porque quem te vai atirar do carro na auto-estrada é ele.

    ResponderEliminar
  4. Hehehehe... eu sou homem... e compreendo-te!!!
    Eu sou solteiro, e quero continuar assim... não significa que não goste de amigas, ou elas de amigos.
    Resiste, para bem da tua sanidade.

    ResponderEliminar
  5. Oh tão bom! Adorei!!!
    Em vez de atirares o Chihuahua, atira-o a ele! Mais vale seres nêspera bolorenta! Irra! :)

    ResponderEliminar
  6. Esta sociedade é uma velha bolorenta e gulosa capaz de devorar uma nêspera, Há que estar atenta à sua perversidade e nunca ficar deitada muito calada à espera do que acontece.

    http://bonstemposhein-jrd.blogspot.pt/2012/08/a-nespera-surrealista-e-os-figos-do_23.html

    Já no que respeita à alegoria do embirrento Chihuahua versus o sedutor São Bernardo, não sei não!... O pequenino se não for velhaco pode ser um divertido bailarino, já o segundo, se lhe tiram o “barril”, não vai lá nem faz nada e quando lhe dá uso não acredito que seja ele a lavá-lo.

    ResponderEliminar
  7. Adorei!! Muito bom mesmo e as comparações até me parecem semelhantes às minhas ideias. ;)

    ResponderEliminar
  8. Também me sinto uma nêspera bolorenta quando me perguntam assim com ar condescendente se não penso em ter filhos. Dá vontade de lhes vomitar para os pés!!!!
    Em relação à escassez de bons partidos, já não é novo! Hoje em dia são como os ovos da Kinder, lá dentro quase sempre o brinquedo está partido. ;)))))))

    ResponderEliminar
  9. Os bons homens são bichos raros.

    ResponderEliminar
  10. É uma vivência e uma visão um pouco sinuosas. Depende do prisma, claro. Contudo, o sentido apurado e, de algum modo, o negrume do humor aproveitado neste texto, que muito me agrada, permitem-me encontrar tantas verdades :)

    ResponderEliminar
  11. Queres a companhia do meu? RP puro lol
    *rafeiro puro LOL

    ResponderEliminar