sábado, 22 de março de 2014

Vaya que eu já vou lá ter

Recuar no tempo e reviver momentos que hoje guardamos com enorme carinho foi o motivo pelo qual fui ao concerto de Vaya con Dios ontem à noite. As suas músicas contagiantes, sobre feminismo proveniente de alguma frustração amorosa óbvia, tiram-me 20 anos e conduzem-me à sala onde a minha mãe usava as suas músicas para tentar não ouvir os seus pensamentos de raiva para com o pano de pó, enquanto fazia um tipo de ritual macabro, que intitulava de dança. A vocalista provou ter uma voz intemporal, já o público parecia ter sido espezinhado pelos anos, havendo indivíduos merecedores de destaque no obituário centenário. Todos os aplausos foram poucos para este espectáculo (até porque o reumático não deixava muitos expressarem o seu contentamento). 

Nunca havia experienciado um concerto sentada, regra geral vou a concertos em que quem está no chão está em coma alcoólica ou à procura de um dente. Estava, visivelmente, fora do meu habitat. Sentados, sem grande actividade corporal para além de um leve abanar ao som da música, cada velhota mais espevitada deixava-me pronta a distribuir bofetadas por pensar que ia dar início a um moshpit. Nos concertos que frequento, o único propósito de uma cadeira é servir como arremesso. Silenciosos, sem acompanhar o refrão das músicas mais conhecidas, deixando que eu guinchasse umas vezes levada pelo entusiasmo e distracção. Quando toda a gente canta não há tanta responsabilidade moral em se cantar mal. Serviam pipocas e anunciaram que não se podia ter telemóveis ligados, dei por mim a pensar que tinha sido roubada e os bilhetes eram para ver o filme da Lego em 3D.

A minha mãe mostrou alguma frustração ao ver que a vocalista havia optado por cantar duas das suas músicas sentada, atribuindo o caso a qualquer doença terrível que lhe estava a desfazer os ossos ao segundo. Não obstante, eu se desse um concerto até sacava de uma marmita e comia feijoada em palco, o concerto é dela, a senhora até pode cantar deitada, até porque o público ficou duas horas de rabo alapado à cadeira.

O grande momento da noite foi uma convidada ter ido ao palco para apresentar o seu trabalho, música perfeita para se num remake do Rei Leão precisarem de passagens bíblicas, entoadas por uma orca a acasalar. Quando pensava que nada poderia bater este momento de entretenimento ímpar, a senhora faz uma batalha com um trompete, em que faz sons de trompete melhor que o próprio instrumento. O Ozzy Osborne arrancava cabeças de morcego, esta supera trompetes, parece uma escala descendente do mundo do espectáculo, a menos que algum artista consiga sons de trompete ao soprar para dentro de um morcego e surpreender-me.

21 comentários:

  1. Num concerto frequentado por trolhas, podia sair um piropo destes:
    vaya con dios, estoy con su hija. ahahah

    São velhotes e deixaram de se ouvir há séculos. :)

    ResponderEliminar
  2. QUE FALHA! Passou-me completamente ao lado esse concerto. :/
    O 'Best Of' deles é um dos CD's que ainda hoje mais vezes toca na minha Biblioteca do iTunes. Foi daquelas bandas míticas que cresci a ouvir, juntamente com Dire Straits, Pink Floyd, Scorpions..

    ResponderEliminar
  3. sentados? ainda tou para experimentar tal coisa :D

    ResponderEliminar
  4. Não fui a muitos concertos, mas sentados, de facto, é uma experiência que nunca vivi. E passá-los sem cantar muito menos :p

    Também acho que a música que ouvimos pode dizer muita coisa sobre nós. Poderei em algum momento escolher músicas estrangeiras, mas maioritariamente serão as portuguesas a figurar naquela rubrica, porque gosto mesmo de música portuguesa e acho que cada vez mais se faz boa música cá, além de termos excelentes artistas em vários géneros

    ResponderEliminar
  5. registe-se que eu tenho idade para ter ido ver estes "cromos" quando cá estiveram há uns anos (muitos). estavam tão "janados" - jargão da época- que nunca mais atinavam com o que havia de sair daquela boca. o desgraçado do músico irlandês que assegurou a primeira parte ia sendo um utente do serviço nacional de saúde, ou quiçá quase de alguma agência funerária,tal era a fúria de todos os que esperavam pelos verdadeiros artistas...enfim, memórias de uma cota, que gosta de vir aqui ler "escritos" bem humorados, e que não podia deixar o seu testemunho entupido na garganta. espero não ser vedada de futuro pelo factor idade, que quase revelei. agora, sobre a atuação em 2014, por acaso, prefiro ouvi-los no vinil (sim, vinil) que aqui tenho. bom domingo. :)

    ResponderEliminar
  6. Os concertos já não são como eram... lol

    Bjxxx

    ResponderEliminar
  7. Sabia que decapitara uma galinha viva em palco com os dentes, mas também morcegos?

    A sua mãe não é apreciadora de flamenco, pois só quem dança é que , obviamente, não actua sentado.

    Bom domingo

    ResponderEliminar
  8. Do que me foste lembrar :o Há anos que não ouço nada mas é, de facto, uma viagem no tempo vê-los ao vivo em 2014.
    Quanto a concertos com lugar sentado, no ano passado recebi um bilhete como prenda de aniversário. Tinha lugares marcados. Era Iron Maiden. Nunca percebi porquê. Não sentei um segundo e fui à "arena" passado um bocado. Já disse que fui a 1 concerto com lugares marcados para Iron Maiden?

    ResponderEliminar
  9. Deve ter sido espectacular =P loool
    não sou muito de concertos mas isso de facto mais devia parecer um velório =P

    ResponderEliminar
  10. As coisas que por aí acontecem quando eu não estou. Mas mesmo que estivesse também não "ia", nem com nem sem Deus, que, se existir, merecia melhor companhia do que eu que iria passar o tempo todo a ajustar a prótese auditiva indispensável sempre que o canto não me encanta.

    ResponderEliminar
  11. Ora, eu cá acho que essa criatura a que te referes no último parágrafo fez valer todo o espetáculo haha :b

    ResponderEliminar
  12. O que me ri com esta publicação xD
    Nunca fui a um concerto onde deva permanecer sentada, mas já tinha ouvido falar e não consigo perceber como se aprecia um concerto sentada :o

    ResponderEliminar
  13. No entretanto, já não é relevante a voz e os instrumentos que foram ouvir. Importa-me mais o desfasamento em que se tornou o desbravar de assistir, sentada, a um concerto. Contudo, parece que está, cada vez mais, a tornar-se um hábito. Valeu a desconcertante compilação de quem foi.

    ResponderEliminar
  14. Ena aos anos que não ouvir sequer falar deles =P

    Obrigado pelo comentário.

    Beijocas

    ResponderEliminar
  15. Deve ter sido um espectáculo diferente. Não sou o maior dos fãs, mas até que gostava de ter ido.

    ResponderEliminar
  16. Bem, que concerto memorável xD Para quem não adormeceu :p

    ResponderEliminar
  17. Imagino que deve ter sido bem engraçado...ao fim destes anos manter a voz e a atenção do publico, não é fácil.
    A voz dela é lindíssima .... ( gostava de ter ido)
    ehhh na na na....

    ResponderEliminar
  18. Um concerto sentado é que é. Sou alérgica a pessoas que me tapam a vista com saltinhos e coisas assim xD

    ResponderEliminar