sábado, 8 de março de 2014

Para sempre?

A arte de tatuar remonta para tempos ancestrais quando o mau gosto e a ausência de senso comum ainda não era uma viabilidade. Civilizações antigas como os Maias e Astecas eram capazes de tatuar até as fossas nasais e parecer menos desprovidos de actividade cerebral que indivíduos que nos nossos dias insistem em tatuar o diabinho montado no golfinho a sobrevoar estrelas que formam o nome da tia-avó falecida em parte incerta. Aprecio uma tatuagem bem feita e respeito qualquer significado que esta possa ter, não obstante, há elementos que me ferem as córneas.

As tatuagens são algo viciante e só compreende quem fez alguma. Torna-se prática comum ter vontade de tatuar algo mais, apenas pelo seu bel-prazer. Verdade seja dita, hoje em dia é possível recorrer a laser para eliminar tatuagens (pequena intervenção de sensação equivalente a ser trespassado por um pedaço de ferro forjado), mas não creio que uma deva ser feita de ânimo leve, à partida com a intenção de a vir a eliminar. Seria como pagarmos a alguém para nos bater com um pau e a seguir tentarmos tirar as nódoas negras ao pagar a outro indivíduo para nos dar choques eléctricos. É, no mínimo, um mau investimento.

Por muita necessidade que tenham de se rotular com tatuagens básicas ou muito boas intenções que estejam patentes nos vossos corações ao encherem a vossa pele de tinta, lembrem-se que há coisas que a sociedade poderia tolerar, mas é mau demais. Não façam tatuagens de lágrimas debaixo do olho, não ficava bem nem ao Menino que Chora e vejam onde ele acabou, na casa da avó. Não façam tatuagens com o nome de namorados, arranjar outro namorado com o mesmo nome é um trabalho desnecessário. Tudo o que envolva diabinhos ou tribais no fundo das costas será meio caminho andado para pertencerem ao clube das empregadas de caixa do Lidl de um bairro social. Paz e amor em caracteres chineses, quando vocês nasceram em Badajoz e a única relação que tiveram com a China foi comer Pato à Pequim, é nunca querer ir à Ásia. Por último, mas não menos importante, lembrem-se que tatuar a cara do vosso filho no estômago, vai fazer que ele desapareça, eventualmente, entre as pregas da vossa barriga, como que num buraco negro, e a última coisa que ele vai querer é que vocês tentem encontrar a sua face pura de 5 anos entre os vossos entrefolhos para presentear os convidados na cerimónia do seu casamento.

23 comentários:

  1. Não tenho nenhuma nem devo vir a ter. Mas concordo que as pessoas devem ter bom senso ao escolher o sítio e a tatuagem. Principalmente para não terem problemas ao arranjar emprego. Claro que isto pode ser discutível mas ainda há muito isso. Em relação ao nome dos namorados, nem comento. Acho ridículo.

    ResponderEliminar
  2. essas tatuagens no fundo das costas chamam-se tramp stamp (traduz isto e entendes logo) ;p
    e letras/simbolos asiáticos, cuidado com isso pois traduções feitas via google translator nunca são de se fiar hahah

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Conheço bem o termo...só não usei para não criar confusão...porque sim...o nome diz tudo xD

      Eliminar
    2. De facto o nome pode dizer tudo... acerca de quem olha de forma judiciosa e tem tanta necessidade de lhe dar um nome.

      Eliminar
  3. Suporto piercings (pendurados n(a)os outra(o)s claro), fico cheio de inveja por não poder usar um corte de cabelo à Moicano ( o meu penteado tende para o oposto), mas recuso as tatuagens, sejam ou não de várias cores, porque jamais esquecerei o dia em que, por mera curiosidade, toquei no que pensava se uma estátua de "art noveau" e senti uma estranha sensação de flacidez. Valeu-me que se tratava de uma mulher...

    ResponderEliminar
  4. O meu pai fez agora uma tatuagem.. aos 50 e muitos anos. Um sonho que remonta há muitos anos... ele adora-a Eu acho que ele podia ter escolhido outra coisa, mas fico contente de o ver feliz!

    ResponderEliminar
  5. Gosto de ver uma ou várias tatuagem bem feitas. Mas há algumas tão tristes e mal amanhadas que só dá pena, nem sou capaz de gozar. A não ser que quem a(s) possua se ache o/a maior da aldeia. :)

    ResponderEliminar
  6. Tatuar é mesmo uma arte e acho fascinante ver um tatuador a trabalhar. Nunca vi ao vivo e sei que ver na televisão não tem o mesmo impacto, mas adorava ver o Miami Ink. A habilidade que tem que se ter é incrível, e o resultado final, quando bem executado, é lindíssimo. Acho que se caiu no hábito de se fazerem tatuagens só porque sim, desprovidas de qualquer significado. Nunca fiz nenhuma e provavelmente não será algo que farei, ainda que nunca tenha descartado totalmente essa hipótese. Só que acho que fazer uma tatuagem deve ser algo ponderado, precisamente para não se cair no erro de depois se querer tirar. O tempo avançada e o nosso corpo deixa de ser o que era, é preciso também pesar esta variante, não chega querer. É preciso pensar em todos os pormenores antes de se fazer algo tão assim.
    Pessoalmente, não aprecio corpos tatuados até ao último espacinho de pele, acho que fica feio. Gosto de ver uma ou outra e, sobretudo, saber que aquela tatuagem tem um significado bonito. Acredito que seja algo viciante e que a partir do momento que se faz a primeira seja difícil parar, mas é preciso controlar a impulsividade e ter bom senso. Agora, cada um sabe de si e se são felizes com o corpo todo tatuado não sou ninguém para o julgar. Pessoalmente, como disse, não gosto, mas isso sou eu.

    ResponderEliminar
  7. De vez em quando vê.se com cada uma mais foleira! xD mas eu adorava fazer... tenho ideias, falta concretizar :)

    ResponderEliminar
  8. Em relação às tatuagens tenho a mesma opinião que tu. Essa dos nomes dos namorados ou alguma mensagem em caracteres chineses ou árabes é um pouco ridícula... Tenho 16 anos e há meses que ando a ponderar fazer uma tatuagem. Algo discreto, num sítio pouco visível, com algo que para mim tem significado. Queria tatuar 4 pássaros pequeninos no pescoço lá atrás (nuca) e assim ficariam quase sempre escondidos pelos cabelos. Com tamanhos diferentes, pensava em tatuar o meu pai como o pássaro maior, depois a minha mãe, eu e, por fim, o meu irmão. Todos a voar na mesma direção (a felicidade comum), porque é isso que nos orienta como família: o mesmo objetivo. A questão da escolha das pombas é um sinal de liberdade que penso vir a ter sempre na minha vida e eles, enquanto família, concedem-ma. Diz-me o que pensas disto. Beijinhos*

    ResponderEliminar
  9. Num ano não digo, mas ao longo da minha vida espero realizar alguma dessas viagens. Também tenho a esperança de um dia ser rica para ir a todos esses países (muito pouco provavel, mas quem sabe... sempre posso ganhar o euromilhões) ahah. Claro vamos as duas!!

    ResponderEliminar
  10. Adoro tatuagens e vejo-me a fazer umas poucas, embora ainda não tenha nada pensado.
    Uma vez um colega meu fez uma tatuagem enorme no braço e eu perguntei-lhe o significado. Ele ficou a olhar para mim como um burro olha para um palhaço, e quando eu lhe disse que é suposto uma tatuagem ter algum tipo de significado fui completamente gozada por ele e por outra colega, com coisas do género "ah, então se apanhas uma gripe fazes uma tatuagem sobre isso?". Não sei, mas para mim uma tatuagem representa alguma coisa, seja lá o que for.

    ResponderEliminar
  11. Concordo, conheço uma rapariga que tem um olho com uma lágrima no ombro... ela toda contente a mostrá-la e eu fiquei com uma cara bué chocada de "no you didn't!" hahah xD

    ResponderEliminar
  12. Também aprecio ver tatuagens bem feitas (principalmente as chamadas "mangas" como a da imagem do post, para mim são as mais bonitas), mas ainda estou a tentar perceber o que leva as pessoas a fazer uma tatuagem, ou o porquê de as desejarem fazer. Quer dizer, não percebo o porquê de se sujeitarem à dor apenas para terem um desenho no corpo...que, na altura, pode ter o maior significado do mundo, mas que, depois, pode já nem querer dizer nada, ou então podem vir a fartar-se dele... Parece que isso das tatuagens virou moda de um momento para o outro. Não censuro quem as tem, só não vejo o sentido de as fazerem.

    R: Não te preocupes...podes ler o post à vontade ;) Não costumo pôr spoilers em posts daquele género, mas, se ponho, escrevo mesmo "SPOILER" para os leitores saberem que o melhor é passar à frente x) Mas é um excelente livro. Eu adorei ^^

    ResponderEliminar
  13. Se a tatuagem for feita com significado nunca poderá ser apelidada de vício =)

    ResponderEliminar
  14. Sinceramente, não aprecio tatuagens e algumas até me fazem alguma impressão.

    ResponderEliminar
  15. Agrada-me o sarcasmo tonificado do post.
    Eu gosto bastante de tatuagens. De algumas, pelo menos. Faço sempre a ressalva, porque tatuagens há que me amedrontam, de tão graves. Embora, não tenha nenhuma. Pelo respeito do eterno, talvez.

    ResponderEliminar
  16. A minha irmã teria-se safado com uma tatuagem a dizer Pedro, só namorou com Pedro's, foram quatro, todos loiros de olhos azuis.

    (meio creepy agora que penso nisso)

    Anos atrás, quando ainda tinha cartão jovem, comecei a namorar com uma moça de boas famílias, uma semana depois do começo da relação, ela surpreende-me com uma tatuagem, a chamada "tramp stamp".

    ResponderEliminar
  17. Adorei :b Eu tenho uma tatuagem mas não tenciono fazer do meu corpo uma tela ambulante, muito menos andar a tatuar nome de namorados e afins :b

    ResponderEliminar
  18. muito bem :) por acaso não tenho nenhuma mas quero fazer uma no pé !!

    ResponderEliminar